Servo e Apóstolo do Senhor Jesus

9 minutos | Postado 3 anos atrás

Normalmente olhamos para Missões do ponto de vista de Deus, da Sua vontade e da Sua visão.

Ou ainda do ponto de vista do Campo: a necessidade do mundo perdido sem o conhecimento do Evangelho. Ainda estudamos Missões do ponto de vista da Igreja, agente de Deus para alcançar tribos e povos até aos confins da terra.

Gostaria entretanto de convidá-los a analisar Missões do ponto de vista do mensageiro: o missionário. sua vida, seus traumas, medos, conflitos, angústias, perplexidades e sonhos.

Quando pensamos em missionários como Paulo, Agostinho, Simonton e Carey os imaginamos como heróis, que ultrapassaram barreiras para fazer o nome de Jesus conhecido. Gostaria neste momento de observar a vida de Paulo, analisando sua existência como homem; suas lutas pessoais, os sonhos do seu coração e as respostas que achou em Deus. E não puramente seu ministério. Minha oração é que sua vida seja um exemplo de fé e dependência do Senhor para todos nós.

ROMANOS 1: 1 – 5

O texto que lemos introduz a carta com um claro paradoxo: “Servo… chamado para ser Apóstolo”.

‘Apostolo’ era o título mais alto, mais reconhecido na Igreja do primeiro século, mas Paulo se apresenta como um “servo” que era “apóstolo”. Esta auto apresentação dá o tom de toda a carta. É possível ser servo sem ser chamado para o apostolado, mas parece que não há apóstolos que não sejam servos.

No V. 2 Paulo afirma que seu apostolado fora prometido por Deus (Deus tem o controle sobre sua vida)
No V.3 ele diz que Jesus, em Carne, é o centro da sua vida e aspirações;
No V.4 Ele declara o Senhorio de Jesus;
No V.5 ele diz que EM JESUS viemos receber: primeiramente graça, depois apostolado, e isto com uma finalidade de vida: obediência por fé.

A Vida de Paulo é uma apologia sobre o Verdadeiro Cristianismo e contra a Falsa Religiosidade.
Afirma que não somos, como Igreja, resultado de um conjunto de ritos, costumes, cânticos, leituras, orações, palavras e atitudes.
É necessário novo nascimento, vida com Deus, o caráter de Cristo em nós, perseverança na fé.
É necessário termos vida e não apenas credo.

Gostaria que identificássemos algumas verdades na vida de Paulo, este homem de Deus, ao longo da sua biografia.

1. DEUS FEZ DE PAULO UM SERVO ANTES DE FAZÊ-LO UM APÓSTOLO

A preocupação de Deus a respeito de Paulo era Paulo, em primeiro lugar. Deus queria fazer dele um SERVO e não simplesmente uma máquina de plantar igrejas.

A respeito da sua vida, Deus está muito mais preocupado com o forjar do caráter de Cristo em seu coração do que com o ministério que voce possa Ter na igreja local. Deus quer gerar entre nós um povo santo que se chama pelo seu nome.

Vejamos a jornada de Paulo:

– De perseguidor transforma-se em perseguido tendo uma visão de Jesus na estrada de Damasco;
– Ficou cego temporariamente tendo que pedir para ser curado;
– De Damasco partiu para a região da Arábia onde permaneceu por três anos revendo a sua teologia e sua forma de entender o Deus de Abraão;
– Após conhecer quem é Jesus viu-se preparado para pregar o evangelho, mas verdadeiramente não estava;
– Prega em Damasco mas é perseguido e tem que fugir;
– Vai para Jerusalém onde estavam os apóstolos. Lá pensou que seria aceito; Mas não foi. Duvidaram dele e foi rejeitado;
– Barnabé o abraçou e investiu em sua vida;
– Paulo se anima e faz um projeto para evangelizar Jerusalém. Seus sonhos são grandiosos;
– Mas Deus não aprova seus sonhos, aparece a ele e dispensa a sua obra. Manda que arrume as malas e parta;
– Vai então para Tarso onde permanece no anonimato por 10 anos aproximadamente, de molho, longe dos acontecimentos, sem ministério;
– Deus retira a sua vaidade, orgulho, intemperança;
– Um grande avivamento tem inicio em Antioquia. Barnabé o chama e quando o encontra, encontra agora não mais um homem parcial, radicalizado em suas idéias, mas um SERVO.
– De lá Paulo é enviado para os gentios. Chegara o momento.

Deus não deseja uma Igreja caiada, mascarada, teatralizada, disforme; que crê nas maravilhas do Alto sem experimentar o caráter de Cristo.

2. UMA VIDA NA VONTADE DE DEUS NÃO ISENTA O CRENTE DAS PROVAÇÕES

Paulo por várias vezes enfatizou que há para a Igreja uma promessa de Capacitação Espiritual, de Revestimento de Autoridade e Poder Espiritual. Entretanto qual é a Limitação desta Autoridade?

Em sua teologia e vida Paulo respondeu que a Autoridade Espiritual do crente está limitada pela Visão, Vontade e Caminho do Senhor.

Somos revestidos de autoridade espiritual apenas para fazer aquilo que o nosso Deus deseja, não para satisfazer nosso ego, luxurias, carnalidades e vontades pessoais. A Igreja de Cristo hoje tem confundido Capacitação Espiritual com Prosperidade. Entretato a Capacitação Espiritual não isenta o crente das provações.

Vejamos mais uma vez a experiência de Paulo quando, saindo de Antioquia, realizava a Vontade de Deus.

Em sua primeira viagem missionária ele experimenta uma tempestade que quase o mata; mas ele persevera, na autoridade do Senhor. Na Segunda viagem missionária ele queria ir para a Ásia mas Deus o enviou para a Europa, e ele persevera em submissão ao Senhor. Em Filipos ele é açoitado em praça pública, trancado em uma prisão mas à meia noite ele persevera louvando ao Senhor. Em Tessalônica é perseguido. Parte para Beréia onde é severamente ameaçado.Chega em Atenas e o chamam de tagarela. Vai para Corinto e o acusam de impostor. Já mais velho, na terceira viagem missionária recolhe ofertas para ajudar os irmãos na Judéia entretanto chegando à Jerusalém o povo o esperava com cadeias e prisões. Acusado pelos próprios Judeus apela para Roma pois ali Deus o queria. Mas não vai como missionário, mas como prisioneiro. Chega em cadeias e não em glórias. Mesmo fazendo a vontade de Deus a viagem foi terrível e durante 14 dias o navio foi açoitado por uma terrível tempestade. Náufrago na Ilha de Malta foi picado por uma víbora que quase o matou. Chega em Roma onde espera a qualquer momento o seu martírio.

Um homem sem dúvida revestido de autoridade do Alto, entretanto autoridade limitada pela Visão de Deus ! Autoridade, antes de mais nada para, tanto na prosperidade quanto no sofrimento, glorificar o Nome do nosso Deus.

3. A PAZ DE DEUS TRANSPÕE A TRANSITORIA ANSIEDADE DO HOMEM

Uma das maiores caracteristicas de Paulo é que no meio destas adversidades, ele vivia em paz com Deus, e não com seu coração cheio de ansiedade como se poderia esperar.
A ansiedade é um sentimento é apreensão, mal estar, tédio, preocupações, angústia e medo.

Paulo possuía todos os motivos humanos imagináveis para andar ansioso entretanto na carta aos Filipenses 4:6 ele diz: “Não andeis ansiosos por coisa alguma”. O verbo “ansiar” aqui é “merinao” e é o mesmo verbo usado para o ato de várias pessoas segurarem um pano, puxarem-no em direções opostas até que se rasgue e se transforme em farrapos. Esta é e idéia de ansiedade: pessoas pressionadas em varias direcoes ate chegarem ao estado de farrapos humanos.

Tratando desta realidade na vida do crente aos Filipenses ele continuando afirmando que, contra a ansiedade precisamos orar, suplicar e agradecer. Parece-me que a oraçào era o fator de equilíbrio na vida de Paulo

A oração impõe dependência do Senhor sobre nossas vidas, emoções, planos e sonhos. Nos ensina a vivermos nos limites de Deus. A irmos até onde vai a visão de Deus. Não permanecermos parados de maneira tímida ou teimosa quando Deus nos ensina que é necessário seguir em frente. Mas também nos ensina a pararmos quando Deus para. A não ultrapassarmos os limites do Senhor, não irmos alem da visão de Deus para nós. Nem toda visão de um homem de Deus é necessariamente visão de Deus. Entretanto a verdadeira visão de Deus nos levará a, apóstolos ou não, sermos fieis servos do nosso Senhor Jesus Cristo.

Autor: Ronaldo Lidório

Alex Palmeira

Salvo pela graça, servo de Jesus, em missão como embaixador do reino de Deus - atua como diretor do movimento PN5.
União Sul Brasileira da IASD